MMA 08/07/2014 06:15

Federação de MMA do RN emite nota sobre WFC em Ceará-Mirim

Por admin

wfc

Evento foi uma decepção, disse o presidente da Femma (Divulgação)

Em virtude dos muito problemas ocorridos durante a 1ª edição do WFC em Ceará-Mirim, no último sábado, a Federação de MMA do Rio Grande do Norte lançou uma carta aberta ao público. O documento, assinado pelo presidente da Femma/RN, Bruno Cortêz, dentre outras coisas, criticou o organizador do evento, informou que WFC não representa o MMA potiguar e pediu para que os patrocinadores não fiquem com má impressão do Esporte.

“Aos patrocinadores e ao público, nós da FEMMA-RN só temos a dizer que o WFC não representa o MMA Potiguar, temos eventos organizados, que são uma ótima opção de diversão ao público e de marketing positivo para os patrocinadores. O MMA é o esporte que mais cresce no mundo e é o que mais trás resultados ao Rio Grande do Norte, não fiquem com uma má impressão do esporte por esse evento em específico”, diz trecho da nota. (ver íntegra abaixo)

No último sábado, das oito lutas programadas para o WFC em Ceará-Mirim, apenas quatro delas foram realizadas. A luta principal entre Tiago Buda e Arymacel Chocolote, por exemplo, assim como outras lutas previstas, não ocorreu por falta de verba para pagar a bolsa dos atletas.

O organizador do evento, na ocasião, disse ao MMA RN que isso aconteceu devido a desistência de última hora de quatro patrocinadores.

Carta aberta ao público, patrocinadores, atletas e equipes do MMA do Rio Grande do Norte

A FEMMA-RN, Federação de MMA do Rio Grande do Norte vem por meio dessa carta aberta esclarecer alguns fatos relacionados ao evento WFC realizado sábado, dia 05/07/2014 em Ceará Mirim.

O evento WFC contou com apoio e orientação da Federação de MMA para que cumprisse os requisitos mínimos de um evento de MMA, esse apoio e essa orientação são parte de uma campanha educativa, campanha esta onde os produtores são orientados para que possam fazer eventos de MMA com segurança e qualidade, com objetivo de num futuro breve cumprir todas as exigências legais, entre as orientações, as principais diziam respeito a segurança, as ambulâncias e equipe de socorristas, ao contrato que deveria existir entre o evento e os atletas, quanto a segurança o promotor do evento nos afirmou que havia solicitado apoio da polícia militar local, e que vinte bombeiros civis trabalhariam no evento, que iria acertar com uma das várias equipes de socorristas com ambulância que sugerimos e que sua assessoria jurídica já havia providenciado os contratos.

Ocorre que os requisitos mínimos não foram cumpridos, o WFC que até a pesagem se mostrava muito profissional não levou esse profissionalismo para o evento em si, entre as falhas que podemos apontar destacamos a falta de ambulância e socorristas, motivo pelo qual o WFC não poderia sequer ter início, pois a prioridade deve ser a integridade física dos atletas e público. Destacamos ainda a falta de policiamento e de segurança interna, só identificamos staffs e porteiros, o evento ainda começou com mais de três horas de atraso e o público só era informado de hora em hora que o evento começaria em breve.

O cartaz do evento previa oito lutas, mas só aconteceram quatro lutas, infelizmente o fator determinante para que essas lutas não acontecessem foi o descumprimento do acordo financeiro do evento para com os atletas, atletas esses que se prepararam, deixaram de acertar outros compromissos e cumpriram com sua parte alcançando o peso de suas respectivas categorias na pesagem ocorrida sexta, dia 04/07/2014, devemos destacar também esse esforço dos atletas para cumprirem seus compromissos, são profissionais que merecem respeito e estavam no evento para lutar e receber por isso, é a sua profissão, outro motivo pelo qual os atletas se recusaram a lutar foi a falta de ambulância e de socorristas, o MMA é um esporte de contato e existem riscos num combate profissional, dos oito atletas que que se arriscaram ao lutar num evento sem ambulância e socorristas, pelo menos um teve um corte que precisava de cuidados médicos, teve que ser levado por seus familiares até o hospital por não haver quem o socorresse no evento, outro atleta levou um golpe ilegal na região genital e não pode concluir a luta, os atletas que lutaram fizeram isso principalmente em respeito ao público, que por sua vez estava bem exaltado, e com razão, mas isso não deve voltar a acontecer.

Esse tipo de situação não pode ter vez no MMA potiguar, evento de MMA não é lugar para se aventurar, é lugar para profissional. O público, os patrocinadores e principalmente os atletas e suas equipes foram desrespeitados, o WFC tinha tudo para ser um bom evento, com boas luta e boa estrutura, mas no fim foi um fiasco completo já na sua primeira edição.

Aos patrocinadores e ao público, nós da FEMMA-RN só temos a dizer que o WFC não representa o MMA Potiguar, temos eventos organizados, que são uma ótima opção de diversão ao público e de marketing positivo para os patrocinadores. O MMA é o esporte que mais cresce no mundo e é o que mais trás resultados ao Rio Grande do Norte, não fiquem com uma má impressão do esporte por esse evento em específico.

Aos atletas e equipes nós da FEMMA-RN estamos a disposição, o esporte só vai avançar com a nossa união, a federação é composta por pessoas sérias e com interesses comuns, em prol do esporte.
Atenciosamente,
Bruno Cortêz
Presidente.