Natação 07/12/2014 17:44

Potiguar Marcos Macedo é campeão Mundial de Natação

Por admin

2

Marcos Macedo (Terceiro da Esq. para DIR) integrou quarteto de ouro (CBDA/Divulgação)

O Potiguar Marcos Macedo foi campeão Mundial em piscina curta em Doha, no Catar. Ao lado de César Cielo, Felipe França e Guilherme Guido, ele ajudou o Brasil a conquistar o ouro nos revezemento 4 x 100 medley, neste domingo. De quebra, o resultado ajudou o Brasil a encerrar a competição na primeira colocação geral pela primeira vez ao somar 10 medalhas (7 – ouros, 1 – prata e 2 bronzes).

Guilherme Guido abriu os 100m costas e entregou para  Felipe França na terceira posição, atrás de EUA e Austrália. O nadador de peito manteve a posição, mas agora com EUA em segundo e Grã-Bretanha na frente. Era a vez de Marcos Macedo, que começou bem no borboleta, mas cansou no fim e deixou o Brasil em quarto (2m36s47), a 85 centésimos dos EUA, líderes da disputa (2m35s62). E ainda havia França e Grã-Bretanha a alcançar.

Cielo foi para água na raia 1, ao lado do americano Ryan Lochte, maior medalhista da história da competição e que já subiu ao pódio 11 vezes em Olimpíadas. Aos poucos, o brasileiro tirou a vantagem dos demais e, nos últimos cinquenta metros, já aparecia em segundo, 0s50 atrás da equipe americana.

Neste momento, o complexo veio abaixo. Com gritos de brasileiros vindos de todas as partes, Cielo forçou o ritmo e, na batida de mão, garantiu o sétimo ouro do Brasil na competição, terceiro dele. O tempo final foi de 3m21s14, contra 3m21s49 dos americanos e 3m22s26 dos franceses. Quem fechou a prova foi Manaudou, o mesmo que havia vencido Cielo nos 50 e perdido nos 100m.

“Não vou dizer que a gente esperava ganhar a competição. Isso é inédito para o Brasil, é uma surpresa muito grande. Temos um grande time – disse Cielo ao SporTV após o revezamento. Com sete ouros, uma prata e dois bronzes, o Brasil pulou para a ponta do quadro de medalhas no último dia de provas em Doha, com dez no total. A Hungria ficou em segundo, com seis ouros, três pratas e dois bronzes (11 no total); e a Holanda acabou em terceiro, com cinco ouros, uma prata e seis bronzes (12 no total) – o número de ouros é o critério predominante na classificação.

Quadro de medalhas –

1º Brasil – 10 ( 7 de ouro, 1 de prata e 2 de bronze)

2º Hungria – 6 de ouro, 3 de pratas e 2 de bronze

3º Holanda – 5 de ouro, 1 de prata e 6 de bronze