Paradesporto 02/04/2015 06:43

Natal será sede das Paralimpíadas Escolares 2015

Por admin

3

A competição ocorrerá de 23 a 28 de novembro (CPB)

Natal será a sede das Paralimpíadas Escolares 2015, maior evento escolar para pessoas com deficiência do mundo. A competição, organizada pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), ocorrerá de 23 a 28 de novembro e contará com a participação de mais de mil estudantes de 13 a 17 anos. Os atletas disputarão medalhas em dez modalidades: atletismo, natação, futebol de 5, futebol de 7, goalball, tênis de mesa, bocha, judô, tênis em cadeira de rodas e voleibol sentado.

O acordo que levará a competição a Natal foi celebrado na noite da última terça-feira, 31. Na ocasião, o vice-presidente do CPB, Ivaldo Brandão, reuniu-se com o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, e a secretária estadual de Habitação, Trabalho e Assistência Social, Julianne Faria. Esta é a primeira vez que as Paralimpíadas Escolares serão disputadas no Nordeste.

“Para o CPB, é importante levar cultura a estes jovens atletas. Queremos que as Paralimpíadas Escolares sejam itinerantes e que isso ajude no desenvolvimento do esporte paralímpico em diversos lugares do país”, ressaltou Ivaldo Brandão.

A última edição das Paralimpíadas Escolares ocorreu em São Paulo. A equipe de Santa Catarina foi a grande campeã. Com 351 pontos, os catarinenses superaram o Rio de Janeiro por um ponto. São Paulo completou o pódio, com 341.

Disputadas desde 2006, as Paralimpíadas Escolares já foram vitrine de alguns dos mais talentosos atletas paralímpicos brasileiros da atualidade. Alan Fonteles, campeão mundial e ouro nos Jogos Paralímpicos de Londres-2012, Lorena Spoladore e Verônica Hipólito, campeãs mundiais de atletismo, Talisson Glock, medalhista mundial da natação, e Leomon Moreno, campeão e artilheiro do último Mundial de Goalball (modalidade exclusiva para cegos), são alguns dos nomes que já passaram pela maior competição estudantil do país.

O CPB organiza as Paralimpíadas Escolares com recursos provenientes da Lei Agnelo/Piva, que prevê que 0,3% da arrecadação bruta das loterias federais do país sejam repassados anualmente ao Comitê Paralímpico Brasileiro.

Do CPB