Esporte 02/07/2021 07:11

Governo do RN divulga portaria para retomada das atividades esportivas

Por admin

O Governo do Rio Grande do Norte divulgou no Diário Oficial desta sexta-feira (2) a portaria que define os critérios para retomada das competições, treinamentos esportivos e práticas esportivas. Confira abaixo a portaria divulgada:

 

PORTARIA CONJUNTA N° 001/2021 – SESAP/SEEC

 

O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA E O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA, DO ESPORTE E DO LAZER, no uso das atribuições;

 

CONSIDERANDO a Declaração de Emergência em Saúde Pública de Importância Internacional pela Organização Mundial de Saúde (OMS), em 30 de janeiro de 2020, em decorrência da infecção humana por SARS-COV-2 (COVID-19);

CONSIDERANDO a transmissão acelerada da COVID-19, aumento no número de casos confirmados e de internações hospitalares com elevadas taxas de ocupação de leitos hospitalares em todo o território POTIGUAR;

CONSIDERANDO a Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998, que institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências;

CONSIDERANDO que Pesquisadores brasileiros constataram que pessoas fisicamente ativas costumam ser mais resistentes ao vírus; para esses pacientes, o índice de hospitalização chega a ser 34% menor;

CONSIDERANDO que a prática regular e moderada de exercícios fortalece o sistema imunológico e previne o surgimento de comorbidades que agravam a doença causada pelo coronavírus;

CONSIDERANDO a necessidade de prevenir e mitigar o risco de transmissão da COVID- 19 nas práticas do Esporte de Rendimento, Esporte de Participação e Lazer e Esporte Educacional, de acordo com as modalidades, levando-se em consideração a categorização de risco estabelecida pelo INDICADOR COMPOSTO DE MONITORAMENTO DA COVID-19 NO RN, visando orientar empreendedores, trabalhadores, as autoridades de saúde e a população quanto às medidas para práticas de proteção adequadas ao enfrentamento da disseminação da Covid-19;

 RESOLVEM:

Art. 1º Definir critérios para retomada das competições, treinamentos esportivos e práticas esportivas.

Art. 2º Ficam definidas as seguintes categorias esportivas:

I – Esporte de Rendimento – trata-se de prática desportiva nacional ou internacional com a finalidade de obter resultados e integrar pessoas e comunidades de um país e deste com outras nações, podendo ser realizada em nível de competição ou treinamento tanto em ambiente fechado (indoor) ou aberto (outdoor);

II – Esporte de Participação e Lazer – trata-se de prática desportiva desenvolvida de forma voluntária, contribuindo na promoção da saúde, na integração social dos praticantes, podendo ser realizada em nível de competição ou prática tanto em ambiente fechado (indoor) ou aberto (outdoor);

III – Esporte Educacional – trata-se de prática desportiva realizada nos sistemas de ensino e em formas assistemáticas de educação com a finalidade de alcançar o desenvolvimento integral do indivíduo, podendo ser realizada em nível de competição ou treinamento tanto em ambiente fechado (indoor) ou aberto (outdoor).

Art. 3º Para fins de regramento, ficam definidos os seguintes grupos de modalidades esportivas:

I – Grupo I – Modalidades individuais sem contato direto: os praticantes permanecem afastados uns dos outros de maneira que não haja contato físico entre eles em nenhum momento da atividade, tais como atletismo, canoagem, ciclismo, golfe, ginástica, xadrez, bocha, motociclismo, tiro esportivo, tiro com arco, powerlift, crossfit, halterofilismo, surf, bodyboard, skate, escalada esportiva, triatlhon, pentatlo moderno, hipismo, esgrima, badminton, remo, vela, tênis de mesa, tênis, beach tênis, natação, squash, paddle, patinação, dança individual, esqui aquático, equitação, rapel, voo com asa delta, parapente ou balão;

II – Grupo II – Modalidades individuais com contato direto: os praticantes exercem a atividade de modo que exista contato físico entre eles, caracterizando-se por um contato eventual ou contínuo, tais como boxe, capoeira, jiujitsu, judô, MMA, muaythai, karatê, taekwondo, wrestling (luta livre) e wu shu;

III – Grupo III – Modalidades coletivas com pouco contato: praticantes exercem a atividade em grupo, caracterizando-se por duplas, trios, ou times com dois ou mais integrantes com pouco contato, tais como beach tênis em dupla, goalball, punhobol, remo, tênis de mesa duplas, badminton em duplas, bocha em duplas, vela, futevolei, vôlei de praia;

IV – Grupo IV – Modalidades coletivas com contato intenso: praticantes exercem a atividade em grupo, caracterizando-se por duplas, trios, ou times com dois ou mais integrantes com contato intenso, tais como basquetebol, voleibol, beach soccer, futebol amador, futebol americano, futebol sete, futsal, handebol, hóquei na grama, pólo aquático, rugby, beisebol.

Art. 4º Para fins dessa portaria ficam definidas as modalidades, quanto aos ambientes:

I – Modalidades Outdoor – Prática desportiva realizada em ambiente descoberto ou quando coberto sem paredes que limitem a circulação do ar;

II – Modalidades Indoor – Prática desportiva realizada em ambiente coberto e com paredes que limitem a circulação do ar.

Art. 5 º – Ficam estabelecidos os critérios para a liberação das atividades esportivas dos grupos I, II, III e IV, conforme as categorias, com base no resultado do indicador composto de monitoramento da Covid-19 no Estado do Rio Grande do Norte, por regional de saúde.

I – No Risco Extremo (VERMELHO): no estágio indicado ficam proibidas todas as categorias esportivas elencadas no Art. 2° desta Portaria;

II – No Risco Alto (LARANJA): no estágio indicado, fica permitida a prática das atividades esportivas elencadas no Art. 2° desta Portaria, nos seguintes termos:

  1. a) Esporte de rendimento:

1 – Competição – proibida as modalidades de todos os grupos, a exceção das modalidades de competição a nível Internacional, Nacional e Estadual das Entidades de Administração do Desporto – EADs, que fazem parte do Sistema Nacional do Desporto, quando autorizadas pela Fesporte;

2 – Treinamento – permitidas somente as modalidades do grupo I, na forma indicada pelo inciso I, do Art. 4°, e treinamentos das modalidades de competição a nível Internacional, Nacional e Estadual das EADs, que fazem parte do Sistema Nacional do Desporto, para todos os grupos;

  1. b) Esporte de participação e lazer:

1 – Competição – proibida as modalidades de todos os grupos;

2 – Prática – permitidas as modalidades dos grupos I, II, III e IV, na forma indicada pelo inciso I, do Art. 4°, e proibidas as modalidades dos grupos I, II, III e IV, na forma indicada pelo inciso II, do Art. 4°;

  1. c) Esporte Educacional:

1 – Competição – proibida as modalidades de todos os grupos, exceto as realizadas ou autorizadas pela SEEC;

2 – Treinamento – permitidas as modalidades dos grupos I, II, III e IV, na forma indicada pelo inciso I, do Art. 4°, e proibida a modalidades dos grupos I, II, III e IV, na forma indicada pelo inciso II, do Art. 4°;

III – No Risco Médio: (AMARELO)

  1. a) Esporte de rendimento:

1 – Competição – permitidas as modalidades do grupo I, na forma indicada pelo inciso I, do Art. 4°, e proibida as modalidades do grupo I, na forma indicada pelo inciso II, do Art. 4°; Para os grupos II, III e IV, na forma indicada pelo inciso I, do Art. 4°; nas modalidades de competição a nível Internacional, Nacional e Estadual das Entidades de Administração do Desporto – EADs, que fazem parte do Sistema Nacional do Desporto, ficam permitidas quando autorizadas pela Fesporte;

2 – Treinamento – permitidas as modalidades dos grupos I, II, III e IV, nas formas indicadas pelos incisos I e II, do Art. 4°. O treinamento das modalidades do grupo II deve ser realizado de forma individualizada, em treinos técnicos, sem contato físico entre os participantes.

  1. b)Esporte de participação e lazer:

1 – Competição – permitidas as modalidades do grupo I e proibida as modalidades dos grupos II, III e IV;

2 – Prática – Permitidas as modalidades dos grupos I, II, III e IV, na forma indicada pelo inciso I, do Art. 4° e permitidas a modalidades dos grupos I, II, III e IV, na forma indicada pelo inciso II, do Art. 4°, com limite de 50% da capacidade operativa do estabelecimento;

  1. c) Esporte Educacional:

1 – Competição – proibida as modalidades de todos os grupos, exceto as realizadas ou autorizadas pela SEEC;

2 – Treinamento – permitidas as modalidades do grupo I, II, III e IV, na forma indicada pelo inciso I, do Art. 4°; e permitidas a modalidades dos grupos I, II, III e IV na forma indicada pelo inciso II, do Art. 4°; com limite de 50% da capacidade operativa do estabelecimento;

IV – No Risco Baixo e Moderado: (VERDE) ficam permitidas as modalidades dos grupos I, II, III e IV, nas formas indicadas pelos incisos I e II, do Art. 4°; para esportes de rendimento, esportes de participação e lazer tanto para competição quanto para treinamento. No esporte educacional somente fica liberada a competição no Risco Baixo.

Art. 6º – Ficam estabelecidas as seguintes MEDIDAS GERAIS de prevenção da disseminação da COVID-19 aos estabelecimentos, trabalhadores, atletas e praticantes em caso de competições esportivas, eventos esportivos, treinamentos esportivos e práticas esportivas:

I – Divulgar, em local visível, as informações de prevenção à COVID-19 estabelecidas pelo Governo do Estado para estas atividades;

II – A entrada nas dependências do local do evento só será permitida com aferição de temperatura por método digital por infravermelho, além do uso obrigatório de máscara e a utilização de álcool 70%.

III – Caso seja apresentado sintomas gripais como por exemplo: tosse seca ou produtiva, dor no corpo, dor de garganta, congestão nasal, dor de cabeça, falta de ar, fica impedido de entrar e participar do evento e deve ser orientado a procurar uma unidade de assistência à saúde do município;

IV – Limitação do número de trabalhadores ao estritamente necessário para o funcionamento da atividade. Os dados destes profissionais devem constar de uma lista com nome completo, RG, CPF, endereço, telefone de contato e função, além de local e cronograma de eventos. Esta lista destina-se a facilitar um possível rastreamento. A responsabilidade pela lista será do organizador do evento e/ou administrador do estabelecimento e ficará sob sua guarda por pelo menos 14 dias;

V – Controlar o uso de áreas comuns como alojamentos, sanitários, vestiários, consultórios médicos, chuveiros, entre outros, programando a sua utilização para evitar aglomeração. Intensificar a higienização destas áreas, sendo permitida a utilização de 1/3 da capacidade, no resultado da avaliação do INDICADOR COMPOSTO DE MONITORAMENTO DA COVID-19 NO RN, alto (laranja) e médio (amarelo) tanto para competição como para treinamentos, ficando vedada a utilização dos alojamentos, vestiários e chuveiros;

VI – Disponibilizar e exigir que todos (atletas, praticantes, trabalhadores, prestadores de serviço, entregadores e demais pessoas que circulem dentro dos locais do evento) utilizem máscaras e álcool 70% durante o período de permanência, sendo substituídas conforme recomendação de uso, sem prejuízo da utilização de outros equipamentos de proteção individual (EPI) necessários ao desenvolvimento das atividades;

VII – Ficam proibidas as rodas de aquecimento e confraternizações, antes e após o jogo e/ou a prática, assim como o cumprimento físico inicial e/ou final entre os praticantes, sendo vedada a permanência dos atletas e praticantes nos locais de treinamento, competição e prática esportiva fora do horário estabelecido para o evento;

VIII – Banhos só podem ocorrer em boxes individualizados, com desinfecção após cada uso, no resultado da avaliação do INDICADOR COMPOSTO DE MONITORAMENTO DA COVID-19 NO RN somente no risco médio (amarelo) e no risco moderado (verde);

IX – Atividades de recuperação devem ser realizadas individualmente e respeitando os procedimentos de higiene e a limpeza pré e pós-utilização, incluindo a imersão em gelo ou banheiras;

X – Disponibilizar em pontos estratégicos (em áreas onde ocorre a circulação de pessoas) locais para a adequada lavagem das mãos e dispensadores de álcool 70% ou preparações antissépticas de efeito similar a cada 10 metros, devendo ser orientada e estimulada a constante higienização das mãos;

XI – Adaptar bebedouros do tipo jato inclinado, de modo que somente seja possível o consumo de água com o uso de copo descartável;

XII – Realizar diariamente procedimentos que garantam a higienização dos ambientes, intensificando a limpeza com desinfetantes próprios para a finalidade;

XIII – Intensificar a desinfecção com álcool 70% ou sanitizantes de efeito similar dos utensílios, superfícies, equipamentos, maçanetas, mesas, corrimãos, interruptores, sanitários, vestiários e armários entre outros, respeitando a característica do material quanto à escolha do produto;

XIV – Manter os lavatórios dos sanitários providos de sabonete líquido, toalha descartável, álcool 70% ou preparações antissépticas de efeito similar e lixeiras com tampa de acionamento;

XV – Manter todos os ambientes bem ventilados, com portas e janelas abertas, sempre que possível, incluindo, caso exista, os locais de alimentação;

XVI – Em ambientes climatizados, manter o ar-condicionado com os filtros e dutos regularmente limpos e a manutenção em dia;

XVII – Manter uma distância de, no mínimo, 1,5m de raio entre as pessoas, exceto entre os atletas e os praticantes durante competição;

XVIII – Fica proibida a troca de banco de reservas e lado de quadra, evitando o compartilhamento de espaços comuns;

XIX – Priorizar a modalidade de trabalho remoto para os setores administrativos, reduzindo ao máximo a circulação de pessoas dentro dos eventos e competições;

XX – Monitorar os atletas, os praticantes e os trabalhadores com vistas à identificação precoce de quaisquer sinais e sintomas compatíveis com o COVID-19 (sintomas respiratórios, tosse seca, dor de garganta ou dificuldade respiratória, acompanhada ou não de febre e/ou sintomas gripais, diarréia, perda de paladar e do olfato);

XXI – Orientar os atletas, os praticantes e os trabalhadores ou os prestadores de serviço que apresentarem sintomas de infecção pelo coronavírus, a buscar orientações médicas e afastá-lo do trabalho e/ou do evento. Os contatos assintomáticos dos doentes devem também ser afastados por um período de 14 dias. Para retorno às atividades, seguir recomendação médica;

XXII – Para a participação no evento, todos os atletas e praticantes maiores de 18 anos e os responsáveis pelos atletas e praticantes menores de 18 anos devem preencher e assinar Termo de Consentimento, onde constará informações acerca do seu atual estado de saúde e informações sobre a Covid19, conforme modelo disponibilizado pela SEL/SEEC a ser utilizado também pelas outras entidades que estarão autorizadas a organizar eventos esportivos;

XXIII – Os cerimoniais presenciais de abertura e encerramento do evento estão proibidos; o cerimonial de premiação deverá acontecer de maneira individual, sem a presença de paraninfos e público;

XXIV – Fica proibida a presença de público em todos os eventos e competições esportivas, nas arquibancadas, em espaços que rodeiam o local da prática esportiva, em áreas privativas de circulação do local do evento e, inclusive, em camarotes, quando existirem, enquanto durar a situação de emergência em saúde no estado;

XXV – É proibida, nos dias dos eventos esportivos e competições, a aglomeração de torcedores ou torcidas organizadas bem como sua entrada e a circulação no local do evento e competição;

XXVI – Ficam estabelecidas as normativas de funcionamento de serviços de alimentação nos eventos (restaurantes, bares, cafeterias, lanchonetes e afins), estabelecida pelo Decreto vigente, ou outra que vier a substituí-la.

XXVII – O responsável pelo evento deverá apresentar a Subsecretaria de Esportes do Estado e ao município de origem a sua requisição de realização do evento esportivo encaminhando o seu protocolo sanitário no prazo mínimo de 20 dias da realização.

XXVIII – Os órgãos competentes pela avaliação do protocolo apresentado terão um prazo máximo de até 10 dias a partir do recebimento, para se manifestar acerca da matéria.

Art. 7º – Ficam estabelecidas as medidas gerais de prevenção da disseminação da COVID-19 para competições e eventos esportivos em esporte de rendimento, esporte de participação e lazer e esporte educacional:

I – É de responsabilidade de cada organizador do evento e/ou administrador do estabelecimento divulgar o Plano de Contingência disponibilizado pela SEEC em conjunto com a Secretaria de Estado da Saúde, para o combate e prevenção da COVID- 19, assim como determinar e implantar sua utilização. a. Entende-se por eventos organizados pela iniciativa privada aqueles realizados pelas Federações Esportivas, clubes e associações, entidades privadas, com e sem fins lucrativos, devendo a entidade realizar o evento mediante autorização pela SEEC e o município de origem, sendo responsabilidade da entidade organizadora o controle e fiscalização do cumprimento do protocolo.

II – Somente é permitida a participação no evento de atletas, comissão técnica e arbitragem cumprindo o disposto:

  1. a) Preencher o questionário anexo a esta portaria (Anexo I), que deve permanecer em arquivo pelo organizador por 14 dias, para fins de rastreabilidade e inquérito epidemiológico. O questionário tem validade para o evento esportivo;
  2. b) Realizar teste rápido com pesquisa de antígeno COVID-19 em até 24h antes das partidas no INDICADOR COMPOSTO DE MONITORAMENTO DA COVID-19 NO RN alto (laranja) para todos os Grupos e no Risco Potencial médio (amarelo) os Grupos II, III e IV. Caso um ou mais membros da equipe testem positivo, a qualquer momento, a equipe não poderá participar da competição e deve ser orientada a procurar o serviço de saúde. Orientações para isolamento dos casos, seguir o preconizado no Manual de Orientações da COVID-19 (vírus SARS-CoV-2)

III – As entidades elencadas no item I, alínea a, que possuam modalidades que não estão contempladas neste protocolo, devem solicitar à SEEC autorização para a realização do evento ou competição;

IV – Os custos referentes aos testes mencionados no item II, alínea b, são de responsabilidade de cada equipe participante, que deve assinar um termo de conhecimento referente a esta exigência junto à organização do evento e os testes referentes à equipe de arbitragem são de responsabilidade da organização do evento;

V – Equipes técnicas de montagem da arena como placas e demais materiais dos patrocinadores podem acessar o local somente para afixar material de propaganda ou similar, até quatro horas antes do início do evento, ficando proibida a sua permanência durante o mesmo. Na eventual necessidade de retirada do material de propaganda, fica definido que só poderá ser realizada após duas horas do término do evento;

VI – É obrigatório o uso de máscaras e álcool 70% por todos os envolvidos durante a competição esportiva, incluindo deslocamentos, permanência no local de competição antes e após as partidas e em qualquer área de uso comum, inclusive os atletas e comissão técnica que estejam no banco de reservas. Ficam desobrigados os atletas que estiverem atuando durante a partida.

VII – Toda a equipe de arbitragem e comissão técnica deve fazer uso de máscaras e álcool 70% e, se possível, de face shield durante as partidas, desta forma, excepcionalmente quando a modalidade permitir, os árbitros deverão utilizar apitos eletrônicos;

VIII – Durante todo o período, os participantes, inclusive atletas reservas, devem usar a máscara e álcool 70%, exceto no momento em que estiverem na prática desportiva.

IX – Cada organizador do evento deve nomear um médico, enfermeiro ou socorrista, que será responsável pela fiscalização do cumprimento das medidas de controle sanitário relacionadas aos atletas, praticantes e à comissão técnica, bem como aos trabalhadores do local do evento, devendo tal responsável estar presente no local durante a competição.

X – É proibida a permanência e a circulação de torcedores nas áreas externas ou contíguas aos locais do evento e competição, centros de treinamentos e hotéis que hospedem as equipes e/ou atletas e praticantes, bem como em seus deslocamentos. As áreas externas devem estar vazias. Sugere-se sinalização e, se possível, barreiras físicas para facilitar o entendimento da necessidade da ausência total e completa de público no local, principalmente nos arredores dos locais dos eventos e competições.

XI – A proibição de que trata o item XII estende-se também às sedes das torcidas organizadas. Na eventual situação em que a sede das torcidas fique nas dependências dos estádios/quadras dos jogos ou contíguas aos mesmos, neste dia, deve permanecer fechada, sem movimentações ou aglomerações locais. Será terminantemente proibido este tipo de atividade.

XII – Durante o período em que serão realizadas as competições, partidas e prática esportiva de lazer, ficam proibidas todas as atividades comerciais de venda de bebidas alcoólicas localizadas no local do evento e prática.

XIII – Fica proibida a realização de todo e qualquer comércio ambulante, assim como o funcionamento de estacionamentos particulares, no raio de 500 metros em relação ao local do evento durante a competição esportiva, não se aplicando quando se tratar de prática esportiva de participação e lazer.

XIV – Informar toda a equipe envolvida na organização, bem como os atletas e a comissão técnica quando houver, sobre as regras de funcionamento autorizadas e as instruções sanitárias adotadas;

XV – Cada atleta ou praticante deve portar sua própria toalha e garrafa de água com identificação, para evitar a troca ou o seu compartilhamento durante os treinos e jogos;

XVI – Capacitar os atletas, os trabalhadores e os praticantes, disponibilizar e exigir o uso dos EPIs apropriados, diante do risco de infecção pelo COVID-19 para a realização das atividades;

XVII – Atletas, praticantes e trabalhadores não devem retornar às suas casas, diariamente, com as roupas de trabalho, quando utilizarem uniforme;

XVIII – Intensificar a lavação dos uniformes, de toalhas e outras vestimentas;

XIX – Nos dias de evento e competições, devem ser criados circuitos de acesso diferenciados para atletas, praticantes e trabalhadores e demais pessoas (imprensa, patrocinador, diretoria) de forma a evitar o contato. Os trajetos devem estar sinalizados e com fluxo único de entrada e saída, para que não haja cruzamento;

XX – O acesso da imprensa no local do evento deve ser limitado. A organização deverá definir o local exato do posicionamento de cada profissional no local. Eles devem entrar 1 hora antes dos atletas e só podem deixar o local após a saída dos atletas, praticantes, árbitros e equipe. Sugere-se realizar de forma organizada, com grupos definidos para evitar contato e aglomerações;

XXI – Não serão permitidas entrevistas no local do evento. Todas as atividades de imprensa como reportagens, comentários de situações de jogo, assim como atividades similares e complementares da transmissão, devem ser realizadas das arquibancadas. Esses locais devem ser marcados e pré-definidos como também as marcações ao redor do local da prática esportiva. Entrevistas pós-competição devem ser realizadas no formato remoto, através de uso de aplicativos juntamente com o auxílio dos assessores de imprensa de cada atleta e com os veículos de comunicação;

XXII – Intensificar a higienização dos alojamentos com desinfetantes próprios para a finalidade;

XXIII – Manter o distanciamento mínimo de 1,5 metros entre as camas dos atletas nos alojamentos;

XXIV – Adotar medidas internas relacionadas à saúde dos atletas, praticantes e dos trabalhadores, necessárias para evitar a transmissão do COVID-19 no ambiente dos eventos e competições, priorizando o afastamento dos atletas e trabalhadores pertencentes a grupos de risco, tais como pessoas com idade acima de 60 (sessenta) anos, hipertensos, diabéticos, gestantes, obesos e imunodeprimidos ou portadores de doenças crônicas que também justifiquem o afastamento;

XXV – A responsabilidade pela realização dos testes para COVID-19 para liberação para os jogos é dos próprios clubes ou de sua Federação, o que for acordado entre eles, não cabendo ao poder público a sua realização;

XXVI – Todos os atletas, praticantes, comissão técnica e os trabalhadores do evento devem preferencialmente de acordo com as orientações dos órgãos de saúde tomar a vacina contra o vírus Influenza;

XXVII – Não se recomenda o uso de testes sorológicos para definição de afastamento de atletas, praticantes ou trabalhadores, bem como para a avaliação de imunidade contra o COVID-19;

XXVIII- Proporcionar assistência médica (posto médico fixo e ambulâncias), conforme a capacidade de participantes especificada em regras estaduais e municipais;

XXIX – Enquanto durar a situação de emergência em saúde no Estado ficam proibidas: a. A presença de acompanhantes dos atletas e praticantes; b. O uso de churrasqueiras para confraternizações; c. O uso de materiais compartilhados para a prática, tais como coletes, luvas, capacetes, macacões, sapatos e similares;

XXX – Realizar agendamento para utilização da quadra por meio eletrônico, evitando filas ou aglomerações;

XXXI – Liberar acesso à quadra somente para as pessoas cadastradas para o horário agendado;

XXXII – Definir intervalo de, no mínimo, 20 minutos entre as partidas, para higienização dos locais de treinamento, competição e prática esportiva, bem como dos equipamentos de uso comum, bolas, implementos e demais materiais esportivos com aplicação pulverizada de uma solução de água sanitária com diluição de 1 copo (250 ml) de água sanitária para 1L de água ou 1 copo (200 ml) de alvejante para 1L de água;

XXXIII- Controlar o fluxo de entrada e saída das quadras com intervalo de, no mínimo, 15 minutos entre as partidas de forma que não haja cruzamento entre os times que finalizam e os times que irão iniciar o jogo.

Art. 8º – É de responsabilidade da Vigilância Sanitária Municipal, compartilhada com Vigilância Sanitária Regional, Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros Militar do Estado do RN, CREF 16, fiscalizar todos os eventos e competições esportivas, estabelecimentos e locais públicos com vista a garantir o cumprimento das medidas sanitárias exigidas.

Art. 9º – O descumprimento do disposto neste protocolo constitui infração sanitária nos termos da Lei Estadual.

Art. 10º – – Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação.

Gabinete do Secretário de Estado da Saúde Pública e Gabinete do Secretário de Estado da Educação, da Cultura, do Esporte e do Lazer, em Natal/RN, 01 de julho de 2021, 200º da Independência e 133º da República.

Cipriano Maia de Vasconcelos

Secretário de Estado da Saúde Pública

Getúlio Marques Ferreira

Secretário de Estado da Educação, da Cultura, do Esporte e do Lazer